Pakari Sensor

Gostou? compartilhe!
Pakari Sensor

INTRODUÇÃO

A dureza desejada na tempera de aços, é notavelmente influenciada pelo fluído de resfriamento, portanto é de extrema importância o conhecimento de sua eficiência, no intuito de detectá-lo rapidamente, quando esta sofre eventualmente alguma alteraçao. As propriedades físico-quimicas do fluído de resfriamento permitem adiantar algumas conclusões sobre sua eficiência porém uma análise prática deste fluído será bem menos onerosa, além de nos fornecer dados mais seguros. É possível conhecer a eficiencia de um fluído de resfriamento temperando-se neste fuído, sob condições identicas, várias amostras de um determinado material, desde que estas sejam posteriormente analisadas quanto a distribuiçao de dureza e de estrutura. Através deste procedimento, consegue-se comparar a velocidade de resfriamento e as variantes de diversos fluídos. Este processo só será representativo, caso as condições de tratamento sejam identicas para todas as amostras. Apoiando-se nesta teoria, desenvolveu-se o PAKARI-SENSOR.

O PAKARI SENSOR trata-se de um aparelho extremamente robusto e perfeitamente adequado ao serviço severo, obtendo-se desta forma uma notável economia de tempo em vista de ser de fácil manuseio e apresentar grande versatilidade.

APLICAÇÃO:

Originalmente o aparelho PAKARI-SENSOR foi desenvolvido para se testar a velocidade de resfriamento em banhos de sais, porem atualmente passou a ser o instrumento universal para todos os fluídos de resfriamento. Qualquer alteração na eficiência do resfriamento é prontamente detectada e medidas corretivas podem ser tomadas antes que possa haver prejuízos maiores. Por exemplo, podemos imaginar a extensão dos prejuízos causados pela existencia de água num óleo de têmpera e cuja presença tenha sido ignorada, ou reconhecida tardiamente. Para determinação da eficiência do fluído de resfriamento, o corpo sensor é aquecido a 850oC (em banho de sal), atingida esta temperatura, ele é transferido para o fluído de resfriamento e a partir de 800oC, inicia-se a contagem do tempo em segundos (aciona-se o Cronômetro) até a temperatura de 300oC. Este procedimento é suficiente para o controle continuo do banho de resfriamento, desde que as temperaturas empregadas sejam sempre constantes.

A repetibilidade de resultados será obtida, se o aparelho permanecer imóvel no banho de resfriamento. Considerando que a recirculação do banho nunca é totalmente uniforme em todo recipiente (cuba ou tanque), é importante que o aparelho seja mergulhado sempre no mesmo local. As curvas de resfriamento (temperatura em funçao do tempo) poderao ser facilmente obtidas anotando-se o tempo de intervalos de 50 ou 100oC, partindo de uma temperatura inicial de 800oC. A união dos pontos anotados fornecerá a curva característica. De posse destas curvas, pode-se comparar as características de resfriamento de diversos fluídos de resfriamento, de uma melhor forma e mais precisa, do que se comparando constantes físicas simplesmente dos respectivos fluídos. Comparando-se dois fluídos, cujas velocidades de resfriamento tem pontos de temperatura visivelmente distintas, podemos encontrar dependendo da marca da temperatura superior e inferior, características de resfriamento totalmente distintas.